Segundo pesquisa, 1 a cada 3 médicos tem diagnóstico de burnout no Brasil



Em estudo publicado no Medscape National Physician Burnout and Suicide Report 2020: The Generational Divide, são apontados índices alarmantes do desgaste profissional em médicos de 40 a 54 anos, faixa geracional denominada Geração X.


Ainda que relatos de desenvolvimento do quadro conhecido como síndrome do burnout tenham sofrido queda em relação a relatórios passados, a condição ainda é um evidente problema que atinge, principalmente, médicos de especialidades como neurologia e urologia, que figuram no topo da lista durante dois anos consecutivos.


QUEM ESTÁ MAIS PROPENSO A DESENVOLVER ESSE QUADRO?


Embora não exista uma maneira de prever aqueles que têm mais probabilidade de sofrer com o burnout, dados apontam que indivíduos de meia idade tendem a estar entre os principais acometidos. 


Dentre os fatores que podem explicar tal fenômeno, o acúmulo de funções fora do ambiente de trabalho destaca-se na liderança. Responsabilidades familiares, como a criação de filhos e o cuidado com pais idosos, podem ser possíveis causas do desenvolvimento do burnout segundo a vice-diretora de desenvolvimento docente no Montefiore Medical Center. 


COMO O BURNOUT AFETA A PERFORMANCE DE TRABALHO? 


A sobrecarga de profissionais de saúde pode ser especialmente perigosa, uma vez que vidas dependem diretamente do desempenho perfeito das funções. Além da neurologia e urologia, médicos especializados em cuidado familiar, tratamento intensivo, medicina interna e medicina de emergência estão no topo da lista. O burnout pode ser também um fator que leva à depressão e a outros quadros psicológicos que podem afetar o atendimento e a performance geral de um médico. 


Dentre os médicos que participaram de pesquisa lançada pelo Medscape em 2018, 34% dos profissionais relatam que se sentem menos motivados a redigir prontuários eletrônicos cuidadosos ou realizar anamneses mais aprofundadas.


Além disso, 29% relatam ser menos amigáveis com pacientes e 11% deles afirmam que cometem erros que não cometeriam sob outras circunstâncias.


COMO COMBATER O BURNOUT


Muitos médicos evitam procurar ajuda para a síndrome de burnout e as razões para isso podem ser muitas, como a desatenção aos sintomas, o medo de se expor para colegas de trabalho e, até mesmo, a falta de tempo. 


Ainda que o ambiente de trabalho não ofereça opções de resolução para o problema, é importante não subestimar os sintomas e dar atenção aos sinais emitidos pelo corpo. Dentre as soluções mais recomendadas, estão a terapia com psicólogos, tratamento com psiquiatras e a prática regular de exercícios.


Outra opção a ser levada em consideração é a diminuição da carga horária de trabalho. Equilibrar a vida pessoal e a profissional é a chave para que a rotina seja menos estressante e mais recompensadora. 


Caso a diminuição de plantões e consultas não seja uma opção, é importante encontrar maneiras de otimizar o tempo e, nesse caso, um software médico de monitoramento de pacientes e uma ferramenta capaz de gerar prontuários eletrônicos com mais facilidade podem ser excelentes escolhas. 


A DM HEALTH COMO FERRAMENTA ESSENCIAL


A DM Health é uma plataforma que centraliza a comunicação entre o médico e o paciente, desde a primeira consulta até o momento de alta. A plataforma é uma ferramenta tecnológica que possui recursos de  inteligência artificial para análise das emoções. 


Com a DM Health, os médicos têm mais poder sobre o gerenciamento do tempo, assim como informações poderosas que ajudam no diagnóstico e minimizam erros. O objetivo da ferramenta é aproximar pacientes e médicos, proporcionando uma experiência diferenciada para ambos.


Fonte - Universo de Negócios

APAN | Associação Paulista de Neurologia

Assessoria de imprensa 

ACONTECE COMUNICAÇÃO INTEGRADA